Minas Láctea reúne especialistas em ambiente propício para inovação


Evento reuniu público especializado em três dias de atividades

Cerca de 110 empresas expositoras, 70 laticínios de todo o Brasil, 20 palestras com especialistas reconhecidos internacionalmente e oito minicursos. Mais que números, o Minas Láctea 2017, considerado o maior evento laticinista da América Latina que terminou ontem, 21, em Juiz de Fora (MG), conseguiu reunir os elos da cadeia de lácteos para debater avanços de qualidade para o setor. “Realizamos reuniões estratégicas entre governo, academia e indústria – os três principais agentes que formam a base para o desenvolvimento. Cumprimos nossa missão de criar ambiente propício à inovação e ao crescimento da indústria no Brasil”, ressaltou o chefe geral da EPAMIG -Instituto de Laticínios Cândido Tostes, Cláudio Furtado Soares.

Em três dias de atividades no Cândido Tostes e no Expominas Juiz de Fora, cerca de 11 mil pessoas visitaram os estandes de empresas na Expomaq, participaram das degustações comentadas na Expolac e conheceram as novidades no setor em máquinas, equipamentos, ingredientes e insumos para a indústria. “Levantamento com os expositores indicam a expectativa de R$ 200 milhões entre negócios realizados e prospectados durante o Minas Láctea”, aponta o coordenador da Expomaq, Antônio Nunes.

Os números confirmam que, apesar do momento econômico, o setor laticinista está investindo. A empresa Lambari Inox vendeu três grandes equipamentos em dois dias de Expomaq: um tanque para queijo de 5 mil litros, uma batedeira de 200 litros e uma máquina para requeijão de 150 litros. “É o melhor evento que participamos em função do público especializado que visita os estandes”, considera o proprietário Stefano Messias.

Concurso Nacional de Produtos Lácteos

Um dos pontos altos do Minas Láctea, o Concurso Nacional de Laticínios reuniu cerca de 70 indústrias que disputaram o prêmio de melhor produto do Brasil em onze categorias: doce de leite, requeijão, manteiga, destaque especial e queijos gorgonzola, minas padrão, prato, reino, gouda, parmesão, provolone. A credibilidade do concurso e a seriedade do julgamento fazem a diferença, na opinião dos concorrentes.

”Vencer aqui é uma satisfação para quem trabalha buscando qualidade. Estampamos o selo de campeões do concurso em nossos rótulos, o que agrega valor aos produtos e chama a atenção do consumidor”, diz o supervisor de produção da Coopervap, Jaci Macedo, que participa há 27 anos e já levou 36 prêmios para casa, em Paracatu (MG).

Na categoria Destaque Especial, uma das vedetes do concurso que avalia produtos inovadores que ainda não chegaram ao mercado, os vendedores foram: Queijo Pataca, da Usina de Beneficiamento Paiolzinho (MG) em 1º lugar; Queijo Calambau maturado na cachaça, do Laticínios Paladar de Minas (MG) em 2º; e Bombom com recheio de boursin de cabra, da Capril Rancho das Vertentes (MG), em 3º.

 

 

Desenvolvido por KYU design gráfico